FLIPORTO - 11ª. Festa Literária Internacional de Pernambuco

13 Nov 2015 19h Colégio de São Bento, Sitio Histórico de Olinda, PE

FLIPORTO: 11ª. FESTA LITERÁRIA DE PERNAMBUCO.

12 a 15 de novembro de 2015. Complexo Educacional São Bento, Olinda, Pernambuco, Brasil. Homenageado: Fernando Pessoa.



IMPORTANTE!

É necessário comparecer uma hora antes de cada painel para o check-in no local do evento, caso contrário, a vaga será ocupada pelo público presente no local. É obrigatória a apresentação do CPF. IMPRIMA SEU TICKET ENVIADO POR E-MAIL PARA FACILITAR SUA IDENTIFICAÇÃO.

Uma das marcas da FESTA LITERÁRIA INTERNACIONAL DE PERNAMBUCO – FLIPORTO. Nesta 11a. edição, a Fliporto permanece uniforme na sua essência e no seu hábito de diferenciar-se e amadurecer diante de tantas vivências. Amplia o seu pertencimento à cidade que a acolhe com a qualidade que seu público exige e merece.



ACESSO AO CONGRESSO LITERÁRIO TOTALMENTE GRATUITO



A Festa Literária Internacional de Pernambuco – Fliporto 2015 continuará com toda a sua programação gratuita reforçando a sua proposta de ser um evento democrático e acessível a toda população. Um dos espaços mais concorridos é o Congresso Literário, que acontece, assim como todo evento, no Complexo Educacional São Bento, localizado no coração de Olinda, no Sítio Histórico.

Os interessados em participar dos painéis oferecidos nos dias 14 e 15 de novembro no Congresso Literário deverão fazer a pré-inscrição através do site do Eventick (http://www.eventick.com.br/), de forma a garantir a vaga, e fazer a retirada do ingresso no setor de credenciamento, no local, com a apresentação do CPF original de sua inscrição, uma hora antes do início da palestra escolhida, sob pena de perder o credenciamento.

Esta mecânica foi escolhida visando o maior conforto dos visitantes e a praticidade no processo. Para mais informações e detalhes da programação, visite o Portal da Fliporto e siga a Festa nas redes sociais: Facebook: Fliporto; Instagram: fliporto; Twitter: fliporto_PE ; Youtube: fliportonet ; Flickr: fliportope.

CONGRESSO LITERÁRIO

O maior poeta da língua portuguesa, alguns dos seus melhores intérpretes e os leitores apaixonados têm um encontro marcado em Olinda, na FESTA LITERÁRIA INTERNACIONAL DE PERNAMBUCO – FLIPORTO.

A Festa começa por presentear aos brasileiros algo inédito e exclusivo. Tão especial como aqueles momentos que ocorrem uma vez na vida e nunca mais são esquecidos: uma conversa com Manuela Nogueira, a escritora e sobrinha tão querida de Fernando Pessoa, que com ele brincou e sobre quem escreveu mais de um livro.

São muitas as razões neste ano para não perder a Fliporto. Como a conversa com o escritor português de maior sucesso na atualidade – Miguel Sousa Tavares – e o brasileiro Mario Prata. O debate do grande compositor e cantor Sérgio Godinho com o tradutor e romancista Ioram Melcer.

E mais: Eric Nepomuceno com Luize Valente; Paulo José Miranda (1º. Prêmio José Saramago) com Alfredo Antunes. Também a sessão exclusiva com o espanhol Javier Cercas, que faz na Fliporto o lançamento nacional do seu mais novo livro.

E ainda mais: uma “aula” sobre tradução, com Richard Zenith e Arnaldo Saraiva; e outra exclusividade: o lançamento internacional da novela gráfica A vida oculta de Fernando Pessoa, de André Morgado e Alexandre Leoni.

O encerramento, com chave de ouro, pelo professor Pasquale Cipro Neto: uma conversa para todos os públicos sobre todas as línguas portuguesas.



PROGRAMAÇÃO 2015

Dia 14/11

15h

Eric Nepomuceno e Luize Valente, com mediação de Mona Dorf:

Passado: presente! Glorias e mazelas da memória e da história

O que houve em 1964, no Brasil? O que houve em 1939-1945, na Europa? São mais do que simples indagações e evocações ou um rápido teste de nossa capacidade para comentar o golpe civil-militar e a Segunda Guerra Mundial. Apontam para o sentido da memória e da história. Quantos fatos e personagens fundamentais estão hoje de todo esquecidos? O autor de A memória de todos nós e a autora de Uma praça em Antuérpia traduzirão para o público esse complexo emaranhado de lembranças e amnésias que formam parte da nossa vida.

17h

Sérgio Godinho e Ioram Melcer, com mediação de Norma Couri:

Mentiras sinceras, verdades fingidas: As vidas duplas (e múltiplas) do escritor

Sérgio Godinho é um dos maiores expoentes da cultura portuguesa, na música (onde alcançou sua maior fama), no teatro, na literatura. É múltiplo na escrita: de canções, poemas, contos, romance... Ioram Melcer está imerso em várias culturas e línguas: hebraico, espanhol, italiano, francês, árabe, turco... e é o mais premiado tradutor e romancista israelense da atualidade. Esses dois – multiplicados por muitos – são os privilegiados autores/atores de um mundo em que as coisas raramente são o que parecem: o das ambiguidades e identidades.

18h30

Javier Cercas conversa com Eric Nepomuceno:

“As máscaras e imposturas na realidade e na literatura”

Os leitores estão acostumados a uma convencional divisão dos gêneros que, de um lado, põe os livros de ficção, e do outro, os de não ficção. Os romances são calmamente acomodados nas prateleiras do primeiro, e os manuais de história no segundo. O escritor espanhol Javier Cercas inscreveu O Impostor, sua mais recente obra (cujo lançamento nacional acontece na Fliporto), em outro gênero, que sugere um curioso hibridismo: o romance de não ficção. Sobre suas histórias tão cheias da História desse e de outros livros ele falará aos seus leitores.

20h15

Miguel Sousa Tavares e Mario Prata, com mediação de Norma Couri:

Portugal e Brasil: o que nos une, o que nos afasta

Um dos lugares-comuns da cultura é: o Brasil e Portugal são dois irmãos separados que falam a mesma língua. Outros preferem acentuar o afastamento e afirmam que sequer é o mesmo o idioma. Que é mais fácil entender o inglês dos Estados Unidos que o português de Portugal. Apesar disso, portugueses e brasileiros não se cansam de declarar o seu amor uns pelos outros. No entanto, a cooperação cultural é menor do que a comercial, apesar de, nos discursos, brasileiros e portugueses continuarem a falar de diálogos atlânticos.

Dia 15/11

15h

Richard Zenith e Arnaldo Saraiva conversam com Ioram Melcer

Fernando Pessoa traduzido, Fernando Pessoa tradutor

Entre os primeiros heterônimos de Fernando Pessoa estavam autores que se expressavam em inglês e francês; e muitos gostam de lembrar: foi em inglês sua última frase escrita. A tradução, portanto, esteve presente sempre no autor da Mensagem, como eruditamente sabe e explica Saraiva. Pessoa é hoje um dos poetas da língua portuguesa mais traduzidos. Na inglesa o seu melhor tradutor é Zenith. E na hebraica: Melcer. As muitas vozes, os registros e idiomas de Pessoa por três dos seus mais aclamados intérpretes e estudiosos.

17h

Por que Pessoa nunca enjoa? A vida-obra de um gênio universal

Alfredo Antunes e Paulo José Miranda, com mediação de Mona Dorf

Paulo José Miranda é um dos mais premiados poetas e romancistas de Portugal. Entretanto, sua produção como ensaísta continua inédita. Sobre Fernando Pessoa ele escreveu um longo ensaio e falará disto em primeira mão na Fliporto. Alfredo Antunes tem publicado um estudo mais do que literário, filosófico: Saudade e profetismo em Fernando Pessoa. Sobre o inesgotável autor, seus enigmas e atemporalidade será esta mesa. Um gênio que alguns chamaram de “estranho estrangeiro” e outros de um “desconhecido de si”.

18h30

André Morgado e Alexandre Leoni, com mediação de Mona Dorf

A vida oculta de Fernando Pessoa

Como se formaram os heterônimos de Fernando Pessoa? Os especialistas e não especialistas julgam ter a resposta, inclusive lida nas cartas que o próprio autor enviou aos seus amigos contando as chaves de sua criação. Mas, ao assistir a essa conversa e ao ler a novela gráfica A vida oculta de Fernando Pessoa, os seus fãs terão muitas surpresas. Na linguagem de história em quadrinhos/banda desenhada, um brasileiro e um português finalmente revelarão o segredo mais bem guardado de Pessoa, num lançamento internacional na Fliporto.

20h15

Encerramento:

O professor Pasquale Cipro Neto, em conversa com Mona Dorf

As nossas – e as outras – línguas portuguesas

“A língua é minha pátria/ E eu não tenho pátria, tenho mátria/ E quero frátria”. Como se vê na letra da canção de Caetano Veloso, idioma é coisa familiar: seja de pai, de mãe, de irmãos. E como toda família, implica em plural. Na conversa de encerramento, e com o jeito tão coloquial e acessível, como vem ensinando o Brasil a amar e usar a própria língua, o professor comentará como foi possível o milagre, não o econômico, mas o cultural – de um país gigante falar, de norte a sul, a mesma língua, e como essa unidade rima com diversidade.



LOCAL

Colégio de São Bento, Sitio Histórico de Olinda, PE

Av. Sigismundo Gonçalves, 375 - Varadouro,Olinda - PE,53010-240
Olinda, Pernambuco

Comentários